19 Setembro 2014

Em causa a exploração mineira na Boa Fé
AME promoveu audição pública do projecto

A Assembleia Municipal de Évora (AME) promoveu no sábado, dia 13, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, uma audição pública sobre o projecto de concessão de uma exploração mineira na localidade de N. Sr.ª da Boa Fé, no concelho de Évora.
Marcaram presença diversas entidades envolvidas no processo de decisão, nomeadamente, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), CCDRA, CME, Colt Resources e Quercus a quem se juntaram os eleitos na AME pelas várias forças partidárias. De entre o público presente natural destaque para a população da Boa Fé, interessada em conhecer as vantagens e desvantagens deste empreendimento no seu território.

(Informação CME)

REPESCADO - DE HÁ UM ANO
PARA GÁUDIO DOS BÊBEDOS II

a caixa craniana
- a garrafa do cérebro humano -

tem uma capacidade de cerca de 1 200 cm3

- quer dizer
1 litro
e perto de 1 quartilho

muito maior do que antes
da criação do vinho

a cor
e a textura
do conteúdo
é que não são por ora
nem do branco
nem do tinto

- é uma pasta amorfa cor-de-cinza
um órgão
indistinto

de aí o pensamento humano
ser um fluido
cada vez mais incaracterístico
mais acrítico

um órgão cada vez
mais re-pe-ti-

ti-vo

Platero
(h)ortografias

Alentejo, Alentejo


Após o reconhecimento internacional do Fado, Portugal submeteu à UNESCO uma candidatura com vista ao reconhecimento do Cante Alentejano como Património Imaterial da Humanidade. Não sendo o Cante conhecido de muita gente fora do país, este filme contribui para a divulgação do Alentejo, revelando esta forma de cantar e a vida dos seus intérpretes.

18 Setembro 2014

TRILHOS DO CONTRABANDO integra Ciclo de História Local e Regional

Trilhos do Contrabando é a temática sobre a qual incide a III Sessão do Ciclo de História Local e Regional, decorre no próximo dia 27 de setembro de 2014, com ponto de encontro para as 18:00 horas junto ao antigo Posto da Guarda da Aldeia de Montejuntos (Freguesia de Capelins, concelho do Alandroal).

A atividade com duração aproximada de três horas, destinada a toda a comunidade, a curiosos por História Local e Regional, a interessados em caminhadas conta com a presença do arqueólogo Luís Lobato de Faria, Presidente da Associação Projecto Raia Alentejana. Com a iniciativa ambiciona-se alertar a comunidade para as questões históricas, explorar a temática da Guerra Civil de Espanha e Regime Ditatorial em Portugal, dar a conhecer e efetuar o trajeto percorrido por contrabandistas e recordar memórias e histórias da fronteira.

A sessão cuja participação é gratuita tem inscrição através de https://docs.google.com/forms/d/1RL78xHXxviTo0cT42iT3KvkClfFGumrSQdQqxPGzMb4/viewform?usp=send_form

Recomenda-se para participação na iniciativa, o uso de calçado e roupa confortável, e aconselha-se a levar lanterna pois parte do percurso é noturno.

Contos e Workshop de Gravura com Nic & Inês
É Neste Pais - 20 Setembro 2014

A É Neste País regressa às suas atividades já este sábado, dia 20 de Setembro, pelas 11:30 "Com Quantos Pontos Se Conta Um Conto" com Nic e Inês que ficam para passar a tarde connosco a fazer um workshop de gravura!

REPESCADO

pelo aparo
da pena
do poeta
sai poema
e sua pena

pena de poeta
e sua pena
saem do aparo
em linha reta

como seta

e onde espeta
a pena
do poeta

ou sara
ou
envenena

Platero
(h)ortografias

Curso Preparatório de Matemática na Universidade de Évora

A Universidade de Évora (UE) apresenta pelo nono ano consecutivo o Curso Preparatório de Matemática (CPM), dedicado não só a alunos que frequentem o 12º ano do Ensino Secundário e se queiram melhor preparar para a sua entrada na Universidade, mas também a quem pretenda ingressar no Ensino Superior através do programa de acesso para maiores de 23 anos.

Estão abertas inscrições para o CPM 2014/2015, um curso com a duração de um ano letivo em horário pós-laboral, que visa proporcionar aos alunos os conhecimentos fundamentais de Matemática para o ingresso no Ensino Superior. As inscrições decorrem até ao dia 03 de outubro, iniciando-se o curso no dia 07 do mesmo mês.

Com duração até junho do próximo ano, e organizado em turmas de pequena dimensão, o curso decorre às terças e quintas-feiras das 18h às 20h.

Sendo a Matemática uma disciplina fundamental para a maioria dos cursos superiores, através do CPM, a Universidade de Évora procura não só preparar o aluno para o exame nacional de Matemática e para a prova de ingresso para os M23, como também fazer a ponte entre o que é lecionado no Ensino Secundário e o que o aluno pode vir a encontrar na Universidade.

O CPM consiste em aulas de exposição e explicação da matéria teórica e aulas de resolução de exercícios típicos. Durante o decorrer do CPM, o aluno tem ainda a oportunidade de assistir a palestras de divulgação da Matemática, tendo como oradores docentes da UE.

Os alunos que obtenham aprovação no final do curso têm isenção de prova específica de Matemática para o ingresso na UE.

Mais informações sobre o CPM em www.dmat.uevora.pt/ensino/Curso-Preparatório-de-Matematica-para-o-Ingresso-na-Universidade

17 Setembro 2014

Passeio reclamado há 5 anos!

Apenas e só, um passeio...
Ano: 2014.
Cidade: Évora.

Eu sei que é difícil acreditar, mas a foto fala por si.

Há 5 anos que eu, a minha família (e julgo que restantes moradores) aguardamos a ligação pedonal entre a zona onde resido (estrada da Chainha) e o restante bairro (bairro do bacelo).

Um direito tão básico, negado diariamente, apesar de todos os impostos e taxas municipais que pagamos regularmente!

Deslocações básicas como ir comprar pão, levar um filho à escola que fica logo aqui ao lado ou chegar à ecopista (a poucos metros), têm que ser feitas de carro, face à ausência de acessos pedonais/passeios entre esta zona residencial e o restante bairro do bacelo, bem como à perigosidade da estrada da Chainha para peões, que tal como o nome indica é uma estrada e não um passeio (ainda por cima, sem bermas).
É urgente que o município de Évora resolva esta situação.

Afinal trata-se apenas e só de fazer a continuidade de um passeio!

Venina Peixeiro

(recebido por e-mail)

Morreu Dinis Vital

Dinis Martins Vital, antigo guarda-redes que se destacou na Primeira Divisão ao serviço do Lusitano de Évora e Vitória de Setúbal, faleceu esta quarta-feira em Évora aos 82 anos.

Formado no Grandolense, transferiu-se em 1951 para o Lusitano de Évora onde jogou 15 temporadas.

Em 1966, mudou-se para o Vitória de Setúbal, clube que representou por quatro temporadas. Regressou ao Lusitano de Évora em 1970 mas na época seguinte mudou-se para o União de Montemor (1971-1974), onde assumiu funções de treinador-jogador, as mesmas que desempenha no Lusitano na época de despedida dos relvados (1974-75).

Representou a Seleção Nacional por uma vez num jogo particular com a Suíça, e, Genebra, em 1959.

Como treinador, trabalhou no Lusitano de Évora, no Grandolense e no Vasco da Gama de Sines.

O corpo de Dinis Vital estará na Capela do Hospital de Évora até amanhã, quinta-feira, dia em que se realiza, pelas 10 horas, o funeral no Cemitério dos Espinheiro, em Évora.

Biografia de Dinis Vital, por Armando Ribeiro, AQUI.

SEXO

ela não tinha sexo

entre duas colinas
guardado do mau tempo
ela tinha

um Templo

Platero
(h)ortografias

16 Setembro 2014

Contanário - 20 a 27 de Setembro em Évora

Contanário nasceu do projeto “Com Quantos Pontos Se Conta Um Conto”, que todos os anos comemorava os seus aniversários com a organização de uma maratona de contos. Ao fim de 4 anos, cresceu, ganhou um nome, e acontece de 20 a 27 de Setembro de 2014 em Évora. O Contanário é a nossa fonte de distribuição pública de contos e formas de contar.

Este ano o Contanário traz a Ana Sofia Paiva, o Bruno Batista, o Thomas Bakk, e a contadora da casa Margarida Junça (Bru); O marionetista de serviço Manuel Dias (Trulé), os nossos amigos da Associação Cultural Do Imaginário, as canções de Daniel Catarino, os livros de Nic & Inês e os maus retratos de Cristina Viana; a exposição de Afonso Cruz, a visita de Ondjaki, o Tó Zé e a sua campaniça, as marionetas do grupo Neste País Há Bonecos, e a apresentação do novo projeto da Biblioteca Pública “Uma Biblioteca é uma casa onde cabe toda a gente”. Contamos também, e em especial, com todos os contadores e ouvidores que nos acompanham durante todo o ano.

O Contanário está quase a começar e estão todos convidados a acompanharem-nos nesta nova aventura!

Actualidade... em cartoons

Fundação Eugénio de Almeida promove Dia Aberto


(Para ampliar clique sobre a imagem)

A Fundação Eugénio de Almeida promove a segunda edição do Dia Aberto e convida a comunidade a conhecer os seus espaços, os projetos que realiza no campo social, cultural, educativo, espiritual, e de desenvolvimento económico, bem como as pessoas que constroem no dia-a-dia este projeto institucional ao serviço da cidade e da região.
O Páteo de S. Miguel, o Fórum Eugénio de Almeida, a Adega Cartuxa (Enoturismo), o Lagar Cartuxa e a Herdade de Pinheiros, são os locais incluídos neste programa de visitas no qual todos estão convidados a participar.

DIA 25
Estabelecimentos de Ensino | 9h30-17h30

DIA 26
Público em Geral | 9h30-17h30

DO AMOR

mente
gente
que diz que ama
moderada-mente

amor
- se existe -
não é frio
nem morno

queima
escalda
abrasa

- é sempre além
de quente

Platero
(h)ortografias

In Memoriam
(Festival de Teatro Amador)

Sociedade Operária de Instrução e Recreio
«Joaquim António de Aguiar»

Évora - Pátio Salema)
©Joaquim Palminha Silva
            A Sociedade Operária de Instrução e Recreio «Joaquim António de Aguiar» (SOIR-JAA), foi durante muitas décadas instituição paradigmática da cidade, e um dos centros dinamizadores da cultura democrática e republicana, alargando os seus horizontes para ideais políticos mais avançados (de cariz libertário e, depois, de franca simpatia pelo socialismo marxista). Agremiação fundada em 1900, com a sua sede no 1º andar de um secular edifício do Pátio Salema (extinta Freguesia da Sé e S. Pedro), foi responsável por um sem número de actividades cívicas, culturais e teatrais de grande notoriedade a nível nacional, sobretudo durante o tempo da ditadura salazarista (1926-1974).

            Difusora de multifacetada (e não dogmática) cultura no meio laboral eborense, a SOIR-JAA caracterizou-se, também, por ser gerida democraticamente por um escol de operários e trabalhadores do comércio e serviços de formação autodidacta acima do comum, nesta época e para este género específico de agremiações populares. Enfrentando com alguma notória ousadia as proibições da censura prévia do regime da ditadura, a SOIR-JAA foi objecto de várias perseguições políticas e os seus dirigentes, em número elevado, conheceram a prisão política, a perda de segurança no emprego e a perseguição contínua na sua vida privada.

            Por esta SOIR-JAA, como conferencistas, passaram (anos 40, 50 e 60) os escritores Ferreira de Castro, Jaime Brasil, Manuel Mendes, Urbano Tavares Rodrigues, Alves Redol, Mário Ventura, Antunes da Silva, bem como brilhantes homens e mulheres do Teatro nacional, de que lembro, por exemplo, Rogério Paulo, particular amigo e grande apoio técnico e artístico do grupo de tetro amador da SOIR-JAA.

            O Grupo de Teatro amador da SOIR-JAA, organismo com estatuto próprio e, por conseguinte, autónomo dentro da própria instituição, levou à cena na sua pequena sala do Pátio Salema, peças de teatro de grande carga cultural e política, além de forte poder emocional, só possíveis de sustentar em palco durante semanas e meses graças à excelente qualidade artística dos seus amadores… Qualidade que hoje, apesar de tudo, dificilmente se encontra presente, mesmo entre profissionais.

            Nas décadas de 40, 50 e 60 foram levadas à cena além das peças tradicionais e Ramada Curto, André Brun, D. João da Câmara e outros, a peça Deus lhe Pague, do dramaturgo brasileiro Joracy Camargo; O Tinteiro, de Carlos Muñiz; A Raposa e as Uvas, de Guilherme de Figueiredo; Ratos e Homens, de John Steinbeck; A Forja de Alves Redol; A Casa de Bernarda Alba, de F. Garcia Lorca; Antígona, de Jean Anouilh, A Boda dos Pequeno Burgueses, de Bertold Brecht, entre muitas outras. Em 1961 foi representada pela 1ª vez, com encenação do velho operário estucador e amador, João Galopim, a peça «O Grito na Charneca», da autoria do amador e director do Grupo de Teatro, Manuel Américo Peres. Tendo obtido desde logo enorme sucesso junto dos eborenses frequentadores do teatro do Pátio Salema, a peça foi levada ao 3º «Concurso de Arte Dramática» (1964) para amadores, então promovido pelos serviços de propaganda da ditadura, o S.N.I.. Subiu o drama à cena no Teatro da Trindade (Lisboa), imediatamente “premiada” por «parte da assistência entusiasmada e que enchia totalmente sala[…] com a maior ovação de todo o concurso» (in Jornal de Évora,  1964). Todavia, o conteúdo da peça, o fulgor da interpretação dos amadores, democratas e alentejanos a representarem o próprio Alentejo, denunciando a situação laboral e condições de vida do mundo rural, a que acrescia o sentimento entusiástico e claramente oposicionista ao regime, manifestado pela plateia do Teatro da Trindade, foram vistos pelos agentes da polícia política como um ataque declarado ao regime, pelo que acabou por não ser atribuído o prémio ao Grupo de Teatro da SOIR-JAA.

            Afinal, com este gesto arbitrário e injusto, os serviços culturais da ditadura acabaram por consagrar, e de forma clara, uma obra originária do Alentejo, escrita por um trabalhador do comércio e representada por um grupo amador de trabalhadores anti-fascistas!

            Desde então, e segundo as suas possibilidades, a SOIR-JAA inaugurou um festival de teatro amador à margem do regime da ditadura, com a participação de grupos de teatro amador desafectos da política da ditadura (em Évora existiam outros grupos de teatro amador, mas a sua posição de servilismo face ao regime colocava-os à margem da cultura democrática!).

            É, pois, esta tradição que agora se continua, num contexto diverso, mas tão dificultoso quanto o era naquele tempo.

Viva o Teatro Amador! Longa vida para o Festival!

15 Setembro 2014

Actualidade... em cartoons


União Bancária Europeia: "Estamos orgulhosos (elevated) com a nossa primeira construção"

APONTAMENTO URBANO
(no Jardim das Canas)

o cão
sobre a relva

cheira o pé
da árvore

alça a perna
e mija

assina a sua tela
à Van GOGH

que poderá chamar-se

TARDE


Platero
(h)ortografias

Humilhados e Ofendidos!

©Joaquim Palminha Silva
            Após um simulacro de reposição da justiça pelos juízes do Tribunal Constitucional, o Governo refez as suas engenharias de finanças públicas. Está feito: - Parte numerosa dos funcionários do Estado vai ter cortes (entre 3,5% e 10%) nas respectivas verbas salariais/mensais.

            O incumprimento das regras, previamente estabelecidas por parte do próprio Estado, para com os seus aposentados, que descontaram décadas para garantirem a sua futura pensão (reforma), demonstra que o Estado português, na sua versão actual, não é pessoa de bem. Mais, a diminuição das deduções em despesas com a saúde, em sede de IRS, acrescidas com o anunciado aumento dos descontos para a ADSE, mostram de forma acutilante para quem ainda tivesse dúvidas que, para além dos cortes no montante das reformas, os fragilizados aposentados do Estado, dada a idade sofrendo na generalidade doenças crónicas, vão ver-se coagidos, por carência económica a adquirirem todos os medicamentos de que carecem.

            Enfim, com um descarado cinismo de tintas germanófilas e nazis, o actual Governo pratica a eutanásia de forma encapotada, colocando em risco de vida os velhos e doentes que, falecendo a breve trecho, trará declaradas vantagens para as poupanças do Estado, libertando os cofres do Estado de muitos pagamentos de pensões e reformas.

            Neste sinistro contexto, é notório o intenso afã do actual Governo em humilhar a quem tanto odeia, com a vantagem de que sabe quanto “bate” em quem não se sabe auto-defender ou pouco se protege previamente. Eis, pois, com a ausência conhecida de revolta colectiva séria, um quadro que se aproxima de um estado permanente de masoquismo colectivo.

            Na verdade, a raiz do masoquismo é alimentada pela humilhação e, por isso, equivale ao desprezo por si próprio quando, naturalmente, o próprio humilhado e ofendido não dá sinais prontos e enérgicos de que o desprezo com que o tratam vai provocar-lhe uma resposta tanto ou mais violenta, quanto o foi a humilhação e a ofensa sofridas.

            Torna-se urgente, portanto, que os reformados, humilhados e ofendidos, em vez de sofreram a agressão do Estado através deste Governo, insistindo numa atitude de quem não espera nem desespera, submersos na apatia, se organizem de forma diferente do que têm feito até hoje e, caso seja viável, exijam das instituições que os pretendem representar formas de luta diversas das tradicionalmente adoptadas, tão ineficazes quanto ridicularizadas pelo Poder.

14 Setembro 2014

Actualidade... em cartoons

SUGESTÃO para marca de ÓLEO

NID

ÓLEO NID (is Love)

e de automóvel:

eu tenho o carro que mereço
e vós?

tendes o carro que MERCÊDES?

Platero
(h)ortografias

13 Setembro 2014

Nuvens negras anunciam chuva...


(Manchete EXPRESSO, 13 Setembro 2014)
... E, se "chover", quem se molhará serão as vítimas do costume!
Os Metralhas Donos Disto Tudo continuarão impunes perante os crimes que praticaram e a viver, esses sim, muito acima das nossas possibilidades.

Actualidade... em cartoons

EQUINÓCIO

como as peúgas
as tardes estão
cada vez mais curtas

e mais sujas

nuvens negras
anunciam
chuva

Platero
(h)ortografias

12 Setembro 2014

Os Metralhas Donos Disto Tudo...

O escândalo é tão grande que os jornais estrangeiros denunciam os crimes e põem a nu a corrupção do governo e do banco de Portugal.

O Finantial Times dá notícia dos crimes praticados pelo BES.
Realça a falta de capacidade de fiscalização do Banco de Portugal, sobretudo tendo em conta os antecedentes crimes praticados por outros bancos, BPN, BPP, etc.

Por alguma razão, os administradores do Banco de Portugal são ex membros dos governos do bloco central, e ao mesmo tempo administradores dos bancos e das empresas dos grupos financeiros dos bancos.

Por alguma razão, as PPPs são estabelecidas entre o estado governado pelo bloco central, e os grupos financeiros.

Por alguma razão a legislação que regula as PPPs foi elaborada nos gabinetes de advogados, políticos do bloco central, que também são advogados dos grupos financeiros.

Um roubo legal.

Por isso os banqueiros continuam impunes e o governo passa as dívidas dos banqueiros para o estado, para sermos nós a pagá-las.
Por isso estamos arruinados.
Por isso o governo não pára de nos roubar.

Um país governado por gatunos só pode ser um pobre país.

12 SETEMBRO, 2014 20:42

Actualidade... em cartoons

XXIII Festival de Teatro de Amadores começa hoje!

De 12 a 20 de Setembro Évora e Beja receberão grupos de artistas de várias zonas do país e contarão inclusivamente com espectáculos de grupos internacionais.

Teatro, cultura e animação de rua vão criar palcos na rua e trazer mais oferta cultural. O Teatro chegará a todos os que amam as artes de palco e vai tornar ainda mais rica a paisagem cultural da planície alentejana.

Mais informação AQUI.

FRUTA

boas boas
estas uvas moscatel

para as escrever
não há tinta que chegue
nem papel

boas boas
estas uvas moscatel

para as pintar
não há tela que chegue
nem pastel

boas boas
estas uvas moscatel

para as esculpir
não há mármore que chegue
nem

MIGUEL

Platero
(h)ortografias

Mas que é isto?

©Joaquim Palminha Silva

            Vêm aí as praxes académicas? – Não sei! O que sei é que essas manifestações absurdas já deram lugar a casos de polícia e mortes de jovens, em várias cidades do País. O facto é que, por fim, o Ministério da Educação (MEC) tomou consciência da gravidade da questão e, nesse sentido, criou um endereço electrónico (praxeabusivas@mec.gov.pt) para onde os cidadãos podem enviar as suas queixas.

            Entretanto, tenho na minha frente um folheto editado pelo “conselho de notáveis” da Universidade de Évora, intitulado «código estudantil de graus académicos, regulamentos e regras de exegese e gírias académicas da universidade de Évora» (cegarrega). Não vale a pena discutir o seu articulado, dado o conjunto de disparates aí contidos. Todavia, vale a pena referir que se trata de uma espécie de estatutos, onde não se vislumbram regras democráticas e, agravando tudo, o folheto não menciona o registo em Diário da República, com o respectivo nº identificação fiscal, próprio de instituição que se legalizou. Assim, estamos face a uma organização clandestina, que fere o direito democrático e, mais perigoso (como já foi comprovado), serve de guia organizativo para grupos juvenis de estudantes praticarem sobre seus colegas sevícias corporais e não só. De resto, há um “cheiro” a organização de extrema direita neste “código estudantil”.

            Nesta ordem de ideias, esperasse que as autoridades policiais (Tribunais, Polícias) identifiquem os delinquentes, e os levem ao banco dos réus, pois trata-se de associações juvenis de malfeitores, algumas com apetências autoritárias e fascizantes.

            No que respeita a cidade de Évora, seria útil que as autoridades municipais e policiais façam cumprir a Lei. Os grupos de jovens não devem danificar os espaços de jardins públicos. Os grupos de jovens não devem usar o património (nomeadamente fontes quinhentistas e estátuas), colocando em risco a sua integridade e a dos monumentos, sob risco de penalizações, prevista pela Lei. O Hospital do Espírito Santo deve cobrar, aos estudantes que entrem no seu «banco de urgência» em estado de coma alcoólico, taxas idênticas a um serviço hospitalar privado.

Praxes académicas? Proibir? – Não! - Basta obrigar a cumprir a Lei.

            Mas também deve ser dito: - É preciso que os habitantes do centro histórico, da cidade de Évora, se agitem e actuem, caso seja necessário recolher abaixo-assinados e entregar queixas na esquadra central da PSP de Évora. É preciso não ficar pelas palavras e escritos anónimos neste e noutros espaços. É preciso dar a cara e não ter medo! É preciso incomodarmo-nos um pouco mais!

11 Setembro 2014

Actualidade... em cartoons


(Recebido por e-mail)
Notícias: Presidente [Obama] admite bombardear a Síria
- Estamos ao lado de quem?...
- Não sei!...

11 de Setembro
SE BEM ME LEMBRO



se bem me lembro
em 73 no chile
houve um onze de setembro

não só no chile
em todo o mundo desde sempre
houve e continuará a haver
onzes de setembro

e vinte e cincos de abril

mas este no chile
eu bem me lembro
roubou-nos dois poetas
de que eu gostava muito

PABLO NERUDA e SALVADOR ALLENDE

volvidos vinte e oito anos
- tudo se repete - pouco ou nada muda
em nova york caem duas torres
quem sabe para vingar as mortes

de SALVADOR ALLENDE
e PABLO NERUDA

se bem me lembro
ditas gémeas
reconhecidamente
as mais ricas do mundo

contudo

se muita gente ainda hoje chora
o onze de setembro de nova york
como um dia triste, desumano - vil

julgo saber – entendo
que a humanidade o que mais deplora
é o negro onze de setembro
que em 73
para todo o sempre
enlutou o chile


Platero
(h)ortografias

10 Setembro 2014

Chuva provoca mais de duas dezenas de inundações no Alentejo

A forte chuvada que fustigou, esta quarta-feira à tarde, a região do Alentejo provocou mais de duas dezenas de inundações, algumas delas em edifícios onde funcionam serviços públicos, segundo fontes dos bombeiros.

No distrito de Évora, os concelhos mais afetados foram Borba, Estremoz, Vila Viçosa, Portel, Redondo e Évora, onde se registaram inundações em habitações e serviços públicos, indicou à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

No Hospital de Espírito Santo de Évora (HESE), segundo fonte do gabinete de comunicação, registaram-se "algumas ocorrências" devido ao temporal, mas "todas as situações foram resolvidas e todos os serviços estão a funcionar".

O comandante dos Bombeiros de Évora, Rogério Santos, indicou que elementos da corporação procederam a limpezas na unidade de radioterapia do hospital.

Mais a sul, foram registadas inundações em Alvito (habitação), Vidigueira (Conservatória) e em Beja (Banco).

As mesmas fontes referiram que algumas das inundações se deveram a algerozes entupidos. Segundo os bombeiros, não se registaram casos graves, apesar da chuva intensa.

(Notícia LUSA)

Universidade de Évora adota formatos abertos

A Universidade de Évora, numa decisão pioneira entre as universidades portuguesas, passa a adotar a partir de Setembro o conjunto de normas abertas definidas por lei em toda a documentação oficial da Universidade, nomeadamente em todos os documentos editáveis e não editáveis enviados por órgãos da instituição.

Com a publicação do Dec. Lei nº 36/2011 e a resolução do Conselho de Ministros 91/2012 foi estabelecida em Portugal a necessidade de adoção de normas abertas para a informação em suporte digital na Administração Pública.

Deve-se salientar que a adoção de normas abertas é um passo crucial para promover a interoperabilidade dos sistemas informáticos, bem como a liberdade tecnológica dos cidadãos e organizações.

A adoção de normas abertas evita que os utilizadores e instituições fiquem reféns de soluções informáticas baseadas em formatos proprietários, permitindo maximizar a liberdade de escolha das ferramentas informáticas e decidir em função dos critérios de qualidade, funcionalidade e custo, definidos pelas próprias instituições.

A adoção de formatos abertos na Universidade de Évora implica o uso em documentos oficiais dos formatos ODT (Open Document Format), ODS (Open Document Spreadsheet), ODP (Open Document Presentation) e PDF (Portable Document Format).

Évora recebe XXIII Festival de Teatro de Amadores

O certame, promovido pela Sociedade Operária de Instrução e Recreio (SOIR) Joaquim António d`Aguiar, decorre até ao dia 20 e integra um total de 15 espetáculos teatrais, distribuídos por espaços cobertos e ao ar livre das cidades, de Évora e Beja.

Participam grupos de teatro de profissionais e de amadores. Pois embora seja um festival de teatro de amadores, é importante que se verifique a permuta de experiências diversas, porque não é o teatro que é amador ou profissional, mas sim quem o faz.

Dando também continuidade a uma aposta dos últimos anos, o FESTAE integra, de entre os convidados, um grupo oriundo de Inglaterra.

A abertura do certame está marcada para a Praça do Giraldo, na sexta-feira, 12 às 18:00, numa animação de rua pela Companhia Marimbondo, local onde no mesmo dia pelas 23h atuará a companhia inglesa Ramshackicious.

O FESTAE promovido desde 1965 pela SOIR Joaquim António D’Aguiar, é integrado no projecto IMAGINÁRIOS AO SUL, que engloba o Festival Raízes do Som e o Festival Internacional de Teatro do Alentejo.

É organizado pela Sociedade Operária de Instrução e Recreio Joaquim António de Aguiar, o Cineclube de Évora, a Associação Cultural Bejense Lêndias d’Encantar e a Associação Lua Aos Quadradinhos. É um projecto pluridisciplinar, com atuação nos centros históricos de Évora e Beja, que visa aliar novas vivências do património através de actividades culturais, formação de públicos, capacitação e envolvimento de outros agentes com a intensificação de hábitos e prática de consumos culturais. Trata-se de uma iniciativa QREN, apoiada no âmbito do INALENTEJO. que tem os apoios da Câmara Municipal de Évora , da União de Freguesias de Évora e Fundação Eugénio d'Almeida.

Encerra no dia 20 no Jardim Público com o espetáculo AGNOIA pelo Teatro do Mar.

ESCRITA

mesmo desprezível

quando escrevo
não há lugar para mais nada

entre mim
e a minha escrita

Platero
(h)ortografias

09 Setembro 2014

Mudam-se os tempos, permanece a receita…

«Recomendar parcimónia (‘austeridade’ na acepção actual) aos pobres é tão grotesco como insultuoso. É como aconselhar um homem que está a morrer de fome a comer menos»

Óscar Wilde, 1891
In ‘A Alma do Homem sob o Socialismo

MALCRIADO
(se é sensível passe à frente, ou ponha de lado)

merda de mosca
nem deixa de chatear

nem pousa

Platero
(h)ortografias

12.ª edição do FIKE

A 12ª edição do FIKE (Festival Internacional de Curtas Metragens) vai decorrer entre 21 e 25 de Outubro, simultaneamente nas cidades de Évora e Beja - anunciou o director do festival, João Paulo Macedo, nesta segunda-feira, 8 de Setembro.

O FIKE 2014 contará, entre outras participações, com Patrícia Casey, a primeira produtora dos Monty Python, que fará durante o certame, uma Master Class sobre produção cinematográfica.

Este ano, inscreveram-se para a pré-selecção no festival, 1004 filmes, originários de 44 países, sendo a Ficção a categoria mais concorrida, com 533 curtas-metragens. A animação com 179, documentário 262 e 27 filmes de outras categorias. Dos filmes inscritos 136 são primeiras obras de jovens realizadores.

O Prémio D. Quixote, um dos galardões a atribuir novamente, será nomeado por um júri da Federação Internacional de Cine Clubes, cuja rede de festivais parceiros o FIKE integra desde 2003.

O FIKE 2014 é promovido, como habitualmente, pela Sociedade de Instrução e Recreio Joaquim António de Aguiar, pelo Cine Clube da Universidade de Évora em parceria com a Estação Imagem e Associação cultural bejense Lêndias d’Encantar.

Esta 12ª edição tem o apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) e da Direção Regional de Cultura do Alentejo / Governo de Portugal, Município de Évora, bem como da Universidade de Évora (UE), que desde a primeira hora vem emprestando o seu valioso contributo.

O FIKE – Festival Internacional de Curtas-metragens, integra-se no projecto IMAGINÁRIOS AO SUL, que engloba o Festival de Teatro de Amadores de Évora, o Festival Raízes do Som e o Festival Internacional de Teatro do Alentejo. Organizados pelo Cineclube de Évora, Sociedade de Instrução e Recreio Joaquim António de Aguiar, a associação cultural bejense Lêndias d’Encantar e a Associação Lua Aos Quadradinhos. Um projecto pluridisciplinar, com atuação nos centros históricos de Évora Beja, que visa aliar novas vivências do património através de actividades culturais, formação de públicos, capacitação e envolvimento de outros agentes com a intensificação de hábitos e prática de consumos culturais. Trata-se de uma iniciativa QREN, apoiada no âmbito do INALENTEJO, cujo investimento ascendeu a 216.415,58 Euros, com um cofinanciamento de 151.490,91 Euros.

Évora, 8 de Setembro de 2014

08 Setembro 2014

845 novos estudantes escolheram a Universidade de Évora

A Universidade de Évora (UE) prepara-se agora para dar as boas-vindas aos 845 novos estudantes que ficaram colocados neste estabelecimento de Ensino Superior na 1ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior (CNAES). Tal número representa uma diferença de mais 60 alunos em relação aos que ingressaram na instituição no ano letivo anterior. De sublinhar que 711 alunos elegeram este ano a UE como sua 1ª opção.

Num contexto de diminuição do número de candidatos ao Ensino Superior, num país cada dia mais envelhecido, salienta-se o facto de o número de estudantes que escolheram a UE ser superior ao ano letivo anterior, com uma diferença de 60 novos alunos.

Ficaram assim preenchidas na totalidade as vagas para os cursos de Arquitetura e Design, na Escola de Artes (EA); Biologia, Bioquímica, Ciência e Tecnologia Animal, Ciências do Desporto, Medicina Veterinária e Reabilitação Psicomotora, na Escola de Ciências e Tecnologia (ECT); Educação Básica, Gestão, Línguas e Literaturas, Psicologia, Relações Internacionais, Sociologia e Turismo, na Escola de Ciências Sociais (ECS) e Enfermagem, na Escola Superior de Enfermagem S. João de Deus (ESESJD).

O acesso aos cursos de Música e de Teatro estão dependentes de Concurso Local, estando neste momento quase preenchida a totalidade das vagas disponibilizadas.

Para os alunos que ainda não concorreram ao CNAES ou não ficaram colocados, a UE disponibiliza 224 vagas para a 2ª fase, distribuídas pelos cursos de Artes Visuais-Multimédia e Teatro, na EA; Agronomia, Arquitetura Paisagista, Biologia Humana, Biotecnologia, Engª de Biossistemas, Engª de Engenharias Renováveis, Engª Informática, Engª Mecatrónica, Geografia, Geologia, Matemática Aplicada à Economia e à Gestão, na ECT; Ciências da Educação, Ciências da Informação e da Documentação, Economia e História e Arqueologia, na ECS.

A UE inicia assim na segunda-feira o processo de matrículas dos novos alunos, podendo esta ser realizada de duas formas, presencialmente, no Colégio do Espírito Santo ou por via eletrónica. Para esclarecer questões relacionadas com o processo de integração dos novos alunos é ainda disponibilizado um endereço de correio eletrónico - acolhimentoue@uevora.pt.

Mais informações sobre o processo de matrículas aqui.

Ocorrências resultantes de inoperacionalidade da VMER geram abertura de inquéritos


(Manchete da edição Diário do SUL de hoje, 8 Setembro 2014)
A reivindicação para que a VMER, localizada em Évora, funcione 24 horas durante todo o ano é transversal a todas as forças políticas do concelho e do distrito de Évora que aguardam uma solução o mais breve possível.

Dia das Cidades Património Mundial


de COMER

ANOREXIA - tem e não quer

ESFOMEADO - quer e não tem

Platero
(h)ortografias

O mundo não é uma “comboyada
e os Estados Unidos não são o “último Moicano”!

©Joaquim Palminha Silva

            Não que isto interesse alguma coisa aos distraídos da política internacional, mas manda que se diga, numa visão realista da geopolítica de hoje, que afinal de contas a guerra fria não foi contra o socialismo de Estado da ex-União Soviética, contra o “comunismo” como então se dizia. Os actuais gestos de provocação ocidentais, tendentes à “guerra” na Ucrânia, em primeiro lugar por parte dos protestantes Estados Unidos da América (EUA), dirigem-se contra a cristã e ortodoxa Rússia, independentemente do seu regime político! Contra a sempre-eterna Rússia, culturalmente profunda e capaz de forjar alianças económicas e militares, tão boas ou tão úteis como as que fabricam os próprios EUA e, como estes últimos, capaz de transpor a sua linha de demarcação original!

            Em 2008, numa cimeira da NATO, foi feita a declaração oficial de que a Geórgia e a Ucrânia acabariam por pertencer à NATO a breve prazo: - Como provocação e ameaça militar à integridade das fronteiras ocidentais da Rússia, Hitler não teria feito melhor!

            Neste contexto, liderada a Ocidente pelos EUA, a União Europeia (EU) revela mais uma vez a sua incapacidade (e inelutável impossibilidade!) de falar a uma só voz, optando por se deixar arrastar pelas ambições hegemónicas da Alemanha. A iniciativa alemã é “naturalmente” apoiada pela Polónia (membro recente da NATO), que defende uma política mais dura de cerco económico e militar em relação à Rússia, o que se pode compreender dado o historial deste país quando sob as botas do Pacto de Varsóvia. Todavia, isto não é realismo político, mas sim pura e dura vindicta, pretender agora, fora do tempo e do espaço, tirar desforço de erros do passado, portanto, definitivamente mortos.

            O facto é que a classe dirigente da Ucrânia, parece ainda não ter percebido quanto está a ser usada pelos EUA para limitar o projecto de “união euro-asiática” da Rússia. O problema, como sempre, tem raízes económicas, e o gás russo pode vir a ser o general Inverno que, derrotando as intenções da UE, coloque no ridículo as sanções económicas à Rússia, decretadas e manipuladas pelos EUA…

            De resto, além das ambições russas, é bom, para a saúde mental dos europeus, que estes compreendam que os EUA cada vez que se intrometem militarmente nos países fora do seu continente, agravam as crises, agudizam as guerras civis, alargam os conflitos, destroem o frágil tecido económico das regiões intervencionadas e depois… não sabem quando nem como sair da barafunda que aumentaram. É útil que todos entendam os perigos da intervenção ocidental nos problemas internos da Ucrânia… Abutres na grande natureza é uma coisa, mas aves de rapina destas na política internacional traduzem-se em desastres em cadeia e campos com centenas de milhares de refugiados…

            O ano 2015 pode ser um ano decisivo para a manutenção da paz mundial, se é que podemos chamar paz a este estado de coisas, com regiões vivendo conflitos armados em permanência, além do recrudescimento do islamismo fundamentalista…

            Seja como for, seria útil para todos, sobretudo para os próprios dirigentes americanos, chegar á compreensão de que o mundo não é uma “comboyada” e os EUA não podem andar sempre a representar o papel do “último Moicano”… E, neste sentido, protagonizarem exigências de policiamento mundial a solo e provocações económicas fora do seu espaço… A saúde do mundo pós-guerra fria exige que se acalmem e sejam mais sensatos…

            No entanto, neste mesmo momento em que escrevo estas linhas, os agentes dos serviços de espionagem ingleses, franceses, alemães e norte-americanos (sobretudo a C.I.A.) organizam-se no terreno chamado Ucrânia, investindo muitos milhares na intoxicação da informação, na recolha de indicadores militares e económicos, mo fornecimento de equipamento bélico e “atempados” conselhos militares… Não sejamos ingénuos, a verdadeira guerra (secreta) trava-se neste momento em “territórios” que os mapas e a opinião pública mundial desconhecem…

07 Setembro 2014

Só é pena escolher o Leonel Moura...

A guerra é uma questão vital seja no maisevora seja onde for.
Nunca é de mais falar e esclarecer as causas, as consequências, e os riscos.
Por isso, o maisevora cumpre a sua missão.
Só é pena escolher o Leonel Moura.

Muito mais esclarecedor é o seguinte texto do aventar:

Os meninos querem brincar às guerras
07/09/2014 por José Gabriel

Carlos Zorrinho fez hoje a mais miserável das declarações sobre as vantagens do aumento do esforço militar na Europa – com correspondente agravamento orçamental em cada país -, considerando que tal situação fará esquecer a crise, com sempre acontece quando tem de se defender “um bem maior”.
Isto, a que se podem juntar os entusiasmos belicistas tão frequentes em quem nunca ouviu um tiro e se sente, por assim dizer, entediado com tanta paz, faz-me corar de raiva e lembra-me uma velha canção de caserna dos tempos da guerra colonial, dedicada aos que, no conforto do ar condicionado, davam ordens imbecis aos que estavam no terreno: “ora vai p’rá mata, ó meu malandro, por tua causa é que eu aqui ando…”.
Isto faz-me sonhar com a cena de uma fileira de engravatadinhos e sortidos entusiastas na prosteridade das indústrias militares – encabeçados por Barroso, o gangster sec. da NATO, Obama, Cameron, Coelho… enfim, todos esses broncos, prontos para o combate à cabeça das suas tropas – ou “à cabeça da manada”, como canta o fado. A imaginação não tem limites. Aparentemente, a estupidez também não. Por isso, estes crápulas terão quem os apoie. É fatal.

07 SETEMBRO, 2014 14:14

Pouca qualidade do blog, e consequentemente, do blogger...

Este blog é uma desilusão, e a vários níveis. Não só pela qualidade dos textos do próprio criador do blog, ou dos comentadores, mas sobretudo pelos temas que aborda.

Se o blog se chama "Mais Évora", não deveria incidir mais sobre o que se passa em Évora? Será que não vemos mais textos desse tipo por falta de assuntos? Não o creio. Todos os dias me chegam ao conhecimento situações que deveriam ser expostas, não só para conhecimento geral, mas também para análise e reunião de sugestões sobre melhoramentos ou alternativas para as mesmas. Questões culturais, políticas, criminais, comerciais, laborais...

O que aí não faltam na cidade são casos, uns mais polémicos que outros, é certo, mas que mereceriam muito maior exposição. Agora, vir para aqui encher "chouriços" com textos copiados de outros, apenas para manter um elevado número de publicações diárias, só revela a pouca qualidade do blog, e consequentemente, do blogger...

07 SETEMBRO, 2014 13:56

INFORMAR ou desinformar para justificar políticas criminosas?

Errado. Incompleto. Tendencioso.
É a voz do poder, a desinformar para justificar políticas criminosas.

A rebeldia dos jovens sempre teve uma razão de ser, sempre foi contra os dogmas, os preconceitos e os crimes, estatuídos e praticados pelos adultos e pela sociedade.
Crimes e preconceitos que lhes são impostos e que os jovens, ainda impolutos, recusam visceralmente.

Nos nossos tempos na nossa cultura:
1
Nos EUA, a revolução das "flores e do amor", os hippies, foi claramente a reacção dos jovens contra a guerra do Vietnam, contra o horror e a injustiça, contra os responsáveis, contra o poder corporativo americano.
Uma "moda"?
2
Em França, a revolução de "Maio de 68", que os jovens desenvolveram em conjunto com toda a sociedade, pondo em causa os conceitos mais reaccionários do capital e da sociedade burguesa.
Uma "moda"?
3
Em Portugal, a "revolução dos cravos", a que os jovens aderiram em massa, foi claramente uma reacção dos jovens e da sociedade contra a guerra colonial, contra o horror e a injustiça, contra os responsáveis, contra o poder fascista, pela democracia.
Uma "moda"?
4
Todos os movimentos de jovens, a que chamam "modas", têm na sua origem uma critica e uma reacção, claramente expressas, contra um status social desumano e injusto.
5
Estes jovens são cidadãos da UE e dos EUA e assistem aos bombardeamentos, aos assassinatos, à destruição dos seus países de origem, das suas cidades, das suas igrejas, da sua família. Querem que esta gente bata palmas ao horror?
6
Estes jovens que assistiram à invasão dos seus países pela NATO, para alegadamente restabelecer a democracia e a liberdade, constatam que afinal era tudo mentira, e que o interesse da invasão era só roubar o petróleo?
Se alguns jovens aderem ao exército terrorista, isso pode ser considerado uma "moda"?
7
Se os jovens, cidadãos da UE e dos EUA, não encontram outra forma de expressar a sua revolta, e aderem ao inimigo, sanguinário e terrorista, não é essa a forma mais radical de exprimirem a sua revolta contra o poder vigente?
8
Como é que se lida com estes jovens
Educam-se? Deseducam-se? Matam-se?
Ou muda-se a política para respeitar os valores cívicos e humanos que os jovens reivindicam?

(resta esclarecer se, muitos dos movimentos que aparecem e desaparecem, não são na realidade urdidos, provocados, alimentados e manipulados pelo poder vigente, para depois poderem intervir de forma violenta contra toda a sociedade, retirando direitos e liberdades, e estatuíndo medidas anti democráticas)

07 SETEMBRO, 2014 13:15

A tribo dos assassinos

O que explica a adesão de tantos jovens europeus às ideias do fundamentalismo islâmico? Há quem diga que é a religião. Outros apontam o desencanto pelo materialismo ocidental. Eu acho que é simplesmente uma nova moda tribal.

Nos anos 60 os jovens foram hippies, com flores no cabelo para combater a sociedade de consumo; nos anos 70 vieram os punks, com penteados moicanos, pregos nos casacos e muita agressividade; mais tarde, a partir do final dessa mesma década, surgiram os skinheads uma versão punk fascista; entretanto apareceram tribos de guerrilheiros, ambientalistas, pacifistas, drogados. Agora, surgiu uma nova tribo ultrarradical. A dos assassinos.

Alguns jovens, com destaque para os das periferias de Londres, mas também de Paris e outras cidades europeias e asiáticas, e até do meio do Alentejo imagine-se, decidiram ir para a Síria e o Iraque matar pessoas. Fazem-no com enorme entusiasmo pela pertença à tribo. É melhor que a Disneylândia diz um deles na Internet.

Tendo em vista a realidade dos seus atos criminosos, uma tal insensibilidade choca, mas não diverge de outras expressões de brutalidade como aquelas que sucedem nos gangues que proliferam nas cidades ocidentais e um pouco por todo o planeta. Este tipo de embrutecimento deve-se antes de tudo à falta de pensamento.

Ao longo do século XX os movimentos mais radicais, mesmo os que adotaram a via da violência como foi o caso de alguns anarquistas, do movimento anticolonial nascido de Frantz Fanon, dos Black Panthers nos Estados Unidos ou, por exemplo, do grupo Baader-Meinhof na Alemanha, assentaram a sua ação nas ideias. A violência não era nem divertida nem gratuita. Resultava de um pensamento, de uma racionalidade. Por isso, a escrita, os livros, o debate de ideias, eram veículos decisivos nas revoltas. De Rosa Luxemburgo a Guy Debord a maioria dos revolucionários passou a vida a ler e escrever. Mesmo os não violentos e emotivos, como os hippies, tinham os seus livros de referência, como o "Pela estrada fora" de Jack Kerouac.

Os jovens que aderem ao fundamentalismo islâmico não têm nada disso. Não há livros, há um só livro. O dogma substituiu o pensamento. Não se pensa, reza-se. A submissão é cega, total e irracional. Na realidade estes jovens abdicam da existência, física e mental, oferecendo-se literalmente como carne para canhão de uma causa difusa. Também por isso são tão insensíveis. Dispostos a morrer, não lhes custa matar. Julgam-se invencíveis e totalmente impunes pois, como diz a jovem alentejana convertida, como derrotar quem está disposto a morrer?

Não pensar tem as suas consequências. Para má sorte da referida jovem, a morte é definitiva. O mesmo é dizer que só se pode ser mártir uma vez. Ora isto gera um problema económico. Tal como nos esquemas Ponzi, um dia esgota-se a capacidade de angariação de suicidas e o sistema implode.

Acresce que a estratégia seguida pela brutal variante do fundamentalismo islâmico, que tanto excita estes jovens, só pode resultar precisamente na morte da maioria deles, e no mais curto prazo. A estratégia do terror em direto tem provocado uma rejeição generalizada do mundo e a exigência de uma ação musculada. Ao mostrarem jornalistas a serem decapitados estão a pedi-las. Faz lembrar a destruição dos budas pelos Talibãs. Podem eventualmente ainda atrair mais uns quantos jovens mentecaptos, delirados com a selvajaria, mas o asco que estes atos provocam no cidadão comum resulta na única resposta que o ocidente sabe e pode dar, ou seja, bombas e mais bombas.

O reverso da medalha é que infelizmente bombardear não revolve problemas. Aliás, amplia-os e acelera a escalada. E esta é óbvia. Para quê gastar um suicida para matar meia dúzia de pessoas, se o mesmo com uma bomba química ou biológica pode matar muitos milhares de uma só vez? A lógica é sinistra, mas inquestionável.

É para aí que caminhamos. Não tenhamos qualquer dúvida. No dia em que acontecer esse ato, ainda mais poderoso do que o 9/11, a vida no ocidente ficará mais difícil. A que se seguirão ainda mais bombas e por aí adiante. Vai demorar algum tempo, e muita desgraça, a acabar este filme.

Leonel Moura
Jornal de Negócios, 04 Setembro 2014

"JEU DE PAUME"

pré-história do ténis
jogado por um só jogador - contra um MURO

reza a História que LUIS XV morreu de apoplexia na sequência de cansativa partida deste jogo.
continua a ser praticado em ginásio ou ao ar-livre - o jogador confronta-se consigo próprio
- uma espécie de onanismo do Ténnis

falta adotar a filosofia do JOGO à FALA
à prática da comunicação verbal

embora já exista - sem regras, é certo, nem livrinho de instruções - quem sabe não estarei eu a praticá-lo nesta manhã cinzenta de domingo, aqui sózinho, jogando palavras contra uma parede branca de cimento que tenho à minha frente

teria então o nome original de "JEU DE PAUME"

Platero
(h)ortografias

06 Setembro 2014

Uma compra barata que saiu cara...


(Manchete Jornal de Notícias, 6 Setembro 2014)

NET BALL

10 - 15
no Liceu Nacional de Portalegre

jogos extra-escolares: Bilhar e Ping-Pong
abaixo da média em todos
- sempre fui péssimo desportista

Ping- Pong
quando se fazia serviço (no bom sentido do termo) e a bola, batendo na rede, passava para o campo adversário. anunciava-se
: NET BALL

e repetia-se o serviço

aprendi hoje, volvidos alguns 60 anos, que NET Ball significa sim
BOLA na REDE e não Bola NULA

em russo se calhar ainda é pior, porque NIET significa NÃO

coisas das línguas

Platero
(h)ortografias

Redescoberta da Arte Mural em Portugal: Estudo Histórico e Científico do Arquiepiscopado de Évora (1516-1615)
27 de Setembro | Colégio do Espírito Santo | Évora.

Encontro realizado no âmbito do projecto FCT PTDC/CPC-EAT/4769/2012, nascido da colaboração entre o laboratório HÉRCULES, o Departamento de História da Universidade de Évora, o Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o Centro de Física Atómica da Universidade de Lisboa, e a Direcção Regional de Cultura do Alentejo.

PROGRAMA:

05 Setembro 2014

Pró-Memória…
(Recorte de Jornal)


(clique sobre a imagem, para ampliar)

MISTÉRIO DOMÉSTICO
QUE PARECE UNIVERSAL

:
onde vão parar
tantas tampas
de TUPPERWARE?
sugeria-se adaptação do nome para uso português
:
TAMPA Where?

Platero
(h)ortografias

04 Setembro 2014

Pró-Memória…
(Estátuas de Évora)

©Joaquim Palminha Silva

            No dia 6 de Outubro de 2004, o Diário do Sul publicava o primeiro de uma série de artigos, sob o título «Estátuas de Évora». Era seu autor o autor destas mesmas linhas, que explicava então ser sua intenção «devolver aos nossos leitores a memória histórica possível das estátuas e bustos de Évora».

            Sem qualquer tipo de apoio logístico municipal ou outro, munido de máquina fotográfica e de nenhum talento para a captação de imagens, comecei a peregrinação pelo tecido urbano da cidade, bem como pelos arquivos disponíveis que me proporcionassem informação sobre o tema. Foram publicados uma série de artigos sob o tema citado, com deficiente paginação e alguns erros de composição. Enfim, nada de mais nem de menos como costuma o diário local. Durante uma década, o meu trabalho, pioneiro nesta área, deu origem a consulta pública no arquivo de recortes de jornal do Centro de Documentação da CME (contando sempre com a simpatia das funcionárias).

            Passaram-se praticamente dez anos… Acontece agora algo de inesperado, género coincidência coincidente: na sede do Grupo Pró-Évora será lançada uma obra intitulada «Guia de Escultura Pública da Cidade e Évora»!

            Claro que não é bem a mesma problemática, dir-me-ão… Claro que beneficiou de outros meios técnicos e fotografia de técnico abalizado. Direi eu! Claro, claro…

            Enfim, Pró-Memória do Grupo Pró-Évora e dos autores do referido «Guia…» (bem-haja a todos) aqui deixo o meu registo…

SÍRIA/IRAQUE/MÉDIO ORIENTE TODO

as palavras levedam

o fermento
é o tempo

insuspeito é o pão

que resulta
da fermentação

Platero
(h)ortografias

03 Setembro 2014

VMER de Évora falha socorro a doente que acabou por morrer

A Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Évora estava inoperacional na terça-feira, por falta de recursos humanos, quando foi chamada a socorrer um doente em paragem cardiorrespiratória, que acabou por morrer, confirmou esta quarta-feira o hospital.

Fonte do gabinete de comunicação do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) disse à agência Lusa que a VMER não esteve operacional no turno entre as 08h00 e as 16h00, por falta de recursos humanos.

Este é o terceiro caso conhecido, envolvendo vítimas mortais, em que a VMER de Évora está indisponível quando é solicitada para uma situação de emergência, depois de, em abril deste ano, não ter participado no socorro a dois homens que sofreram um acidente, perto de Reguengos de Monsaraz, e que acabaram por morrer.

Notícia Correio da Manhã, 03.09.2014

Pais e alunos da escola de equitação da GNR indignados com o encerramento da escola

nos VESTIÁRIOS das PISCINAS

:
antes de VESTIÁRIOS são
por norma

DESPIÁRIOS

Platero
(h)ortografias

GUIA DE ESCULTURA PÚBLICA DA CIDADE DE ÉVORA
Lançamento e Visita Guiada | 6 de Setembro de 2014

Antecedendo a sessão de lançamento, será feita uma visita guiada a alguns pontos dos percursos propostos no Guia, com início no Jardim Público (entrada da Praça 1.º de Maio) às 15.30 horas.

Pelas 17.30 horas, na sede do Grupo Pro-Évora, Rua do Salvador, n.º 1, terá lugar o lançamento do Guia de Escultura Pública da Cidade de Évora, comissariado por Maria do Mar Fazenda, com fotografias de Paulo Nuno Silva. Serão proferidas breves comunicações de António Pedroso, Manuel Branco, João Cutileiro e Maria do Mar Fazenda.

O Grupo Pro-Évora agradece que os interessados confirmem a sua presença na visita guiada, através dos seguintes contactos: guiaescultura.proevora@gmail.com ou pelo telefone 964 921 325.

02 Setembro 2014

PCP responsabiliza PS por municípios de Évora recorrerem ao fundo de apoio

O PCP de Évora manifestou-se hoje contra o Fundo de Apoio Municipal (FAM) e responsabilizou o PS pela situação das câmaras do distrito que se veem obrigadas ou quase obrigadas a recorrer ao novo mecanismo.

"Os municípios do distrito que se veem obrigados ou quase obrigados a recorrer ao FAM são todos da responsabilidade da gestão ruinosa feita pelo PS, embora dois sejam hoje de gestão CDU", afirmou a estrutura comunista, em comunicado enviado à agência Lusa.

A Direção da Organização Regional de Évora (DOREV) do PCP referiu que, no distrito, existem "dois municípios que são obrigados, contra a sua vontade, a recorrer ao FAM", além de outros três, "numa opção falsamente facultativa", por terem "uma dívida superior a 2,25 vezes a média da receita corrente dos últimos três anos".

"A entrada em vigor do FAM significa a retirada só à população do distrito de Évora de mais de sete milhões de euros para o fundo de resgate às autarquias” mais endividadas, alertou a DOREV do PCP.

A estrutura comunista considerou que o fundo "não vai resolver nenhum problema aos municípios, antes vai agravar, ainda mais, a sua situação financeira", e alertou que "vão surgir despedimentos de muitos trabalhadores, medida imposta pela referida lei".

"Os municípios estão perante um novo instrumento de roubo dos recursos da administração local, constituindo um novo confronto com a Constituição da República enquanto elemento contra a autonomia do Poder Local", criticaram.

A Câmara de Alandroal, no distrito de Évora, é uma das que vai ser obrigada a recorrer ao FAM por se encontrar "em rutura financeira", com um passivo de "mais de 30 milhões de euros", disse à Lusa a presidente do município, Mariana Chilra.

O Governo estima que 19 municípios sejam obrigados a aderir ao FAM, novo mecanismo de regularização financeira que será facultativo para outras 23 autarquias.

A lei 53/2014, já publicada em Diário da República, estabelece as condições para a recuperação financeira dos municípios, prevendo-se casos de "recurso obrigatório" e situações de "recurso facultativo" ao FAM.

O capital social do FAM é de 650 milhões de euros, a subscrever em 50% pelo Estado e na restante metade por todos os municípios e que terá de ser realizado no prazo máximo de sete anos, com início em 2015, assegurando o Estado desde já o apoio aos municípios em situação mais crítica.

Agência Lusa
01 Setembro 2014

Sunset Cocktail e Lançamento do Livro "Talento no Alentejo"
Palácio do Barrocal | 5 de Setembro | 18:30

CONFLITOS EM TEMPO DE PAZ

Resolver----> revolver----> REVÓLVER

Platero
(h)ortografias

Insegurança, fraude, derrocada total!

©Joaquim Palminha Silva

            Porque nos interrogamos hoje sobre as mutilações feitas no corpo do regime democrático, sobretudo quando verificamos que o continuado auxílio da União Europeia não bastou para evitar a derrocada total?

*
            Nas últimas décadas os partidos de direita e seus governos (auxiliados pelos socialistas algumas vezes), as instituições cívicas conservadoras e os grupos económicos nacionais e multinacionais, não cessaram de repetir às multidões politicamente aparvajadas, por todos os meios ao seu alcance, que a hipotética vitória eleitoral da esquerda traria consigo a instabilidade social, o esgotamento da reserva de mão-de-obra especializada (que emigraria imediatamente), a autonomia insuficiente das empresas face aos impostos e taxas impostas pelo Estado, a prática de preços aberrantes que não consentem uma atribuição pensada dos recursos, a fraca produtividade e a consequente ineficácia técnico-económica.

            A direita nacional, muitas vezes ajudada ao mais alto nível pela direita europeia, instalada nas instâncias da União Europeia (EU), não se cansou de alertar as multidões que todas as reformas concluídas ou tentadas se perderiam nas areias movediças da burocracia revolucionária, da democracia directa, assim como a constante ameaça de nacionalização que passaria a pesar sobre a banca e os seguros do sector privado, provocando naturalmente da perda de confiança dos acionistas e investidores e, nesta ordem de ideias, determinaria a descapitalização da banca e a fuga de capital para o estrangeiro.

            A direita levou as últimas décadas a assustar os cidadãos com a eventualidade duma vitória eleitoral colocar no governo a esquerda, o que traria como consequência imediata e directa que os lucros das empresas reverteriam, na sua maior parte, para o Estado, com um montante reservado para a segurança social, etc.. Enfim, a direita gastou anos e anos a assustar o eleitorado com a explicação da existência de duas burocracias num governo de esquerda, a da economia e a do partido, o que revela do carácter parasitário das formações políticas de esquerda, segundo esta mesma direita…

            Após décadas de regime democrático (burguês) e governos de direita, a lógica e dinâmica capitalista, apesar dos disfarces que veste, acabou por realizar por inteiro todas as terríficas suposições de que andou a acusar a esquerda, se acaso esta vencesse de forma indiscutível umas eleições.

            A direita nacional tem avançado na criação de um Estado forte e serviçal do Capital e este, ajudado por um Parlamento domesticado, ao ritmo das consequências trágicas que paulatinamente vem provocando, tem apresentado o suplemento da corrupção ao mais alto nível!

            Pior! – Falhando cálculos e contas de Estado continuamente, a direita governamental perdeu toda a vergonha política (se acaso alguma vez a possuiu), e cada ano que passa, por mais de uma vez, retira cobardemente percentagens dos salários dos trabalhadores e das pensões dos reformados!

            Afinal de contas o reino da insegurança, a espiral de erros, a multidão de ineptos, a prosápia de banqueiros burlões, a delapidação e venda a preços de saldo dos bens e propriedade públicos, caracterizam os governos da direita.

            Afinal de contas, quem destruiu a segurança das famílias e a tranquilidade dos cidadãos, quem semeia o terror sobre os meios de sobrevivência económica de cada um para o dia de amanhã, quem maltrata e despreza, têm sido estes governos de direita.

            Fique cada um informado: - Nada está garantido…Tudo nos pode ser retirado!
            A menos que…

01 Setembro 2014

Uma pergunta que se impõe: PORQUÊ?...

As inscrições para o novo ano lectivo na Escola de Equitação da GNR, em Évora, encontram-se encerradas? O Comando-Geral prepara-se para encerrar definitivamente a Escola de Equitação de Évora?
PORQUÊ?...

Vila Galé Évora concluído no 1.º semestre de 2015

O hotel de quatro estrelas, situado na Avenida Túlio Espanca, a apenas 700 metros do centro histórico da cidade de Évora, deverá abrir portas no primeiro semestre de 2015, entre Maio e Junho, resultando de um investimento de cerca de 15 milhões de euros.

A unidade prevê ter 182 quartos, restaurante, bar, piscina exterior e um SPA Médico com piscina interior aquecida, ginásio, sauna, jacuzzi e 6 salas para tratamentos e massagens. Para o segmento de negócios, aposta num Centro de Convenções constituído por quatro salas totalmente equipadas e adaptadas a todo o tipo de eventos.

Sentimento de naufrágio…

Hortas Urbanas de Évora vão ter novo depósito de água


Obras no "novo" sistema de rega ficam concluídas em Setembro, segundo a CM Évora

RAPAZ

em caso de morte
Deus faz
e não desfaz

só com Lázaro
Deus fez
e desfez

e foi
só uma vez

à segunda
Lázaro foi

de vez

Platero
(h)ortografias

31 Agosto 2014

Cenas ao Sul
Évora voltou a ser terra de abrigo!


Embraer amplia fábrica de Évora

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Embraer revelou hoje que a Embraer Portugal Estruturas Metálicas iniciou, nos “últimos dias” deste mês, os trabalhos de construção civil para aumentar a “área industrial coberta”, a qual vai passar de 37.100 para 38.700 metros quadrados.

A necessidade destes trabalhos advém da conclusão do acordo entre a Embraer Metálicas e a casa-mãe no Brasil para participação da empresa de Évora no novo programa de aviação comercial da Embraer, o “Embraer E-Jets E2”, explicou a empresa.

A Embraer Estruturas Metálicas já está envolvida na construção do Embraer Legacy 450/500 e do KC-390, passando agora a juntar um novo tipo de avião ao seu portefólio.

Trata-se de uma “nova oportunidade de diversificação da atividade” desta fábrica de Évora, “mais uma vez integrada na estratégia de desenvolvimento de novos produtos da Embraer”, sublinhou a empresa.

MANHÃ DE PISCINAS DE ARRAIOLOS

1 -

rio

delta enseada

oceano porto

navego-te mulher

entro em ti - barco embandeirado em arco

pelo estuário
do corpo


Platero
(h)ortografias

30 Agosto 2014

O Bairro a Bombar em SETEMBRO

3 (quarta-feira)
Bairro da Malagueira às 18h30.
Ensaio público “O bairro a bombar” – no largo em frente ao café Sobreira

10 (quarta-feira)
Bairro São José da Ponte às 18h30.
Ensaio público “O bairro a bombar” – no parque infantil

17 (quarta-feira)
Bairro António Sérgio às 18h30.
Ensaio público “O bairro a bombar” – no parque infantil

NOS INTERSTÍCIOS de reunião Pública de Câmara
datado - 25/3/87

aí está que o sol se esconde

- bate-me ainda nos olhos
com as suas pontas
de ramo de palmeira

estou dentro da Sala

- um cubo de espaço partilhado -
espartilhado entre vozes
tão vazias quanto o meu silêncio

nós aos tiros de ditongos
contra a noite
que se adivinha cerrada

lá fora
em gestação da madrugada

Platero
(h)ortografias

29 Agosto 2014

Em Reunião Pública de 27 de Agosto
Câmara de Évora tomou conhecimento de retenção de verbas estatais


O Presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, deu conhecimento da retenção pelo Governo, prevista para setembro, da verba de 146 mil euros, a primeira de uma retenção que ascenderá ao valor global de 575 mil euros no final do ano. Esta retenção é justificada pelo incumprimento, em 2012 e 2013, das regras do Orçamento de Estado que impunham uma redução da dívida em atraso da Câmara em 10%.

O atual Executivo contestou junto dos órgãos competentes, uma vez que tal retenção ainda irá agravar mais os problemas de tesouraria existentes, mas apesar do processo global ter sido reavaliado pelo Governo, manteve-se a penalização.

O Presidente informou ainda os resultados da reunião que manteve com o Ministro do Ambiente para tratar das questões referentes ao sistema de abastecimento de água e saneamento. Uma reunião que considerou positiva, pois o ministro manifestou a abertura em relação às propostas apresentadas pelo Presidente da Câmara de Évora, que irá agora analisar.

A Vice-Presidente Élia Mira apresentou a proposta de entrada gratuita nas Piscinas Municipais durante a semana em que se comemora o 50.º Aniversário da criação deste equipamento (que decorrerá de 1 a 6 de setembro) e alteração de horário de funcionamento de tanques de natação no dia 5 de setembro. A proposta obteve aprovação unânime.

Deste modo, no dia 5, o funcionamento dos tanques de natação será das 9 às 22 horas e não das 9 às 20 como é habitual e o acesso às Piscinas será gratuito para toda a população a partir das 15 horas. Nos restantes dias, haverá acesso gratuito consoante o tema diário (avós e netos (até 12 anos); estudantes; atletas federados; pais e filhos (até 12 anos); nascidos em 1964 e antigos trabalhadores das piscinas. A partir das 15 horas é grátis para todos.

Foi também aprovada por unanimidade a submissão à Assembleia Municipal da proposta para autorização prévia destinada à assunção de compromisso plurianual referente a concurso público para fornecimento de energia.

Cerca de duas dezenas de Contratos-Programa de Desenvolvimento Desportivo com agentes locais, relativos ao ano de 2014 (apoios logísticos), foram igualmente aprovados por unanimidade.

(informação CME)