07 Julho 2009

Fundação Alentejo - Terra Mãe em processo de extinção


«A Fundação Alentejo – Terra Mãe iniciou o processo de extinção no mês de Junho. O Conselho de Administração convocou para o dia 19 do mês passado uma reunião do Conselho Geral colocando em agenda a extinção. Dois membros órgãos sociais contactados pelo Notícias Alentejo confirmaram a convocatória mas afirmaram que não marcaram presença por recusarem participar no processo. O Notícias Alentejo tentou contactar a Fundação Alentejo – Terra Mãe, mas os números de telefone e fax da sede da Fundação, em Évora, foram já desligados.»

in Notícias Alentejo, 07.07.2009

17 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Em Évora tudo se extingue, tudo se apaga. Évora está a tornar-se num deserto.

07 Julho, 2009 14:59  
Anonymous Anónimo said...

A Academia de Musica e a banda dos amadores fecharam.
Os cinemas Alfa fecharam.
O Lusitano está em vias de fechar.
E, agora, até a Fundação Alentejo vai fechar.

E que tem a dizer a isto o Presidente da Câmara? Já alguém lhe ouviu uma palavra sobre o assunto?

Ou será o Ernesto como o Socrates: quando as notícias são boas é com ele; quando são más, é com os "outros"...

07 Julho, 2009 15:24  
Anonymous Anónimo said...

O último abalar apague as luzes da cidade.

07 Julho, 2009 17:12  
Anonymous Anónimo said...

A Fundação Alentejo Terra-Mãe foi criada como a face humana de um projecto empresarial que tinha o Dr. Flamínio Roza como testa de ferro e que, com a ajuda do Zé Ernesto e através de alterações ao PDM, se propunha tomar de assalto tudo o que fosse negócio especulativo (mas rentável) no concelho de Évora. Foram dos grandes financiadores da campanha do Zé, sabiam? Acabaram desmascarados e o Zé revelou-se um pau-mandado mais incompetente do que esperavam. Com isso e com a morte do Roza, a ideia perdeu força e agora, com a perspectiva do Zé perder as eleições, deixou de ser interessante manter a Fundação. Suponho que desta vez não lhe financiarão a campanha, aliás, o Monarca (que sonhava pôr o pé e sacar umas massas na dita Fundação) não tem corrido para aquelas bandas, o que é sintomático.

07 Julho, 2009 17:22  
Anonymous Anónimo said...

Arranjam sempre umas histórias convenientes para tentar envolver e culpabilizar o Ernesto.

Depois dizem que ele passa a vida a vitimizar-se.

Isto é só venenosos.

07 Julho, 2009 17:55  
Anonymous Anónimo said...

@17:55
O que é queres se diga? O Ernesto onde se mete só faz merda.

07 Julho, 2009 19:48  
Anonymous Anónimo said...

A triste verdade é que tudo fecha mesmo. A Academia de Musica e a banda dos amadores foram aqui referidas e deixam saudades. Mas outros aspectos saltam à vista. Haverá cidade com a dimensão de Évora e com a importancia estratégica que não tenha um centro comercial, um Dolce Vita pelo menos como Guimarães ou Tavira? Haverá cidade com a dimensão de Évora que não tenha cinema sem ser de improviso (sem menosprezo para o Soror Miranda e pelo seu meritório esforço). Haverá cidade com a dimensão de Évora que não tenha biblioteca municipal? Até cadeias de lojas privadas como a CASA fecharam. O jornal METRO deixou de ser cá distribuído.
Serão sinais de quê? Da governação, da nossa qualidade enquanto cidadãos?
Os cinemas Alfa fecharam.
Quanto à Fundação Alentejo Terra Mãe veja-se à data da sua criação quem são os barões que a formaram e deduzem-se os interesses e chega-se à conclusão que de filantropia e altruismo pouco ou nada houve. Até a própria inauguração da fundação foi patrocinada pela câmara, desde as flores até aos audiovisuais.
Évora é uma terra pequena, de gente pequena e com memórias pequenas. Também pequeno está a ficar o pouco que restou de orgulho, autoestima, etc.

07 Julho, 2009 19:59  
Anonymous Anónimo said...

@19:59
Não tens pena de ser tão mesquinho e ridículo?

07 Julho, 2009 20:06  
Anonymous Anónimo said...

@19:59
Muito bem, concordo plenamente. A culpa destes escroques se movimentarem à vontade em Évora, apoucando-a e destruindo o que os antigos nos legaram, travando o desenvolvimento e o bem-estar dos eborenses É TODA NOSSA, cidadãos com antolhos partidários, que vamos discutindo quem é pior e votando nuns e noutros em vez de os corrermos à paulada!

07 Julho, 2009 20:10  
Anonymous Anónimo said...

A Fundação Alentejo foi feita para funcionar como o alter-ego do seu fundador, que por ser pequeno, sob todos os aspectos (por ter morrido não passou a ser melhor!) queria ser grande.
Por esse facto, deixou de fazer sentido.
Mas é verdade, que alguns que se preparavam para a usar, vão ficar com uns dinheiros a menos.
Foi uma Fundação (mais uma neste país) que só serviu em benefício de quem a criou.
Paz à sua(s) alma(s).

08 Julho, 2009 09:54  
Anonymous Anónimo said...

E uma reunião do PS, é preciso não esquecer que trouxe Sócrates a Évora.

08 Julho, 2009 10:27  
Anonymous Anónimo said...

ONDE PARAM OS RIOS DE DINHEIRO QUE ENTRARAM PARA ESSA FUNDAÇÃO?
AQUILO É NINHO DE RATOS DA MALTA XUXALISTA, A IDEIA ERA FAZEREM DAQUILO UMA CANTINA PRA PADRINHOS E AFILHADOS, COMO UMA OUTRA FUNDAÇÃO QUE POR AI ANDA, TÃO "INTERESSANTE" COMO ESTA, MAS COM A DIFERENÇA QUE POSSUIU IMENSAS PROPRIEDADES FUNDIÁRIAS E ASSIM PODE SUSTENTAR OS AMIGOS E DESCENDENTES PELAS PRÓXIMAS GERAÇÕES.
COITADOS DOS XUXAS, TANTO MAMARAM QUE SECARAM A TETA DA VACA, QUE AFINAL SE AMANHOU COM O DINHEIRO DA FUNDAÇÃO ALENTEJO TERRA MÃE????

08 Julho, 2009 18:07  
Anonymous Anónimo said...

E a outra Fundação Alentejo que governa uma família inteira e mais uns quantos xuxas e afins, exclusivamente com dinheiros públicos? Exactamente, apenas com dinheiros públicos, para chorudos ordenados e alcavalas da família Ramos, que têm a presidêcia, a administração e as direcções de serviços tudo sob seu controlo pessoal, com um ou dois lacaios para disfarçar! Vamos pagar isto até quando?!

08 Julho, 2009 20:37  
Anonymous Anónimo said...

Quando alguém afecta património para criar uma Fundação, fá-lo com vista à sua perpetuação
Estranhamente a Fundação Alentejo Terra Mãe não sobrevive muito ao seu fundador; nem ao abandono de alguns projectos imobiliários como sejam o Forum.Guedol, não era?
Quanto a ligações de alguns elementos da Camara, não será por acaso. O fundador era especialista em empresas municipais ( e membro de algumas ) e o assessor do Presidente foi desde a criação membro do Conselho Fiscal.
Tudo bons rapazes; tudo limpido como a água do Monte Novo!

09 Julho, 2009 02:04  
Anonymous Anónimo said...

"O Homem sonha a obra nasce", já dizia Fernando Pessoa. E foi assim que aconteceu com o Dr. Flaminio Roza. Sonhou e nasceu a Fundação Alentejo-Terra Mãe. Fê-lo em prol da gente do Alentejo. Fê-lo para divulgar os costumes e as tradições do Alentejo. Foi esse o nobre objectivo da Fundação Alentejo Terra Mãe. Para prossecução desse objectivo, o Dr. Flaminio Roza sacrificou a sua vida pessoal, dispos do seu património pessoal e socorreu-se de todos os contactos que granjeou durante todo o seu notável percurso profissional.
Infelizmente o sonho do Dr. Flaminio Roza foi curto...e o sonho era dele, só dele. Era um projecto pessoal dele.Não é justo nem legítimo que se exija a quem quer que seja a continuação deste sonho.
E quanto às vozes que se levantam para criticar a extinção da Fundação (que ao que me parece mais não são vozes de quem tem "dor de cotovêlo" por nunca ter sido convidado a participar no projecto da Fundação e assim conviver com a gente nobre (alguma), que dela fazia parte), deixo um desafio: já que estão tão escandalizados com o fim da Fundação, constituam uma Fundação precisamente com o mesmo objectivo daquela; depositem um milhão de euros em prol desse objectivo; lancem uma revista; comprem uma rádio; promovam exposições e conferêcias; constituam postos de trabalho; concebam uma Bibliotaca Digital do Alentejo; dêm bolsas de estudo... vá lá não custa nada....e afinal de contas tudo é em prol da vossa terra.....

17 Julho, 2009 11:33  
Blogger Antonio Belo said...

Se há verdades nas diversas opiniões manifestadas através dos textos deste blogue, com toda a certeza!

Agora que o façam sob o anonimato, é de perguntar - Têm medo de ser reconhecidos?

António Belo

26 Novembro, 2009 19:25  
Anonymous Joselia carvalho said...

Na verdade, sou alheia a toda a "história" em torno da fundação, não sabendo sequer se tais comentários "azedos" são ou não verdadeiros, nem me interessam. De um ponto de vista exterior, só tornam pequenos quem os promove. Ainda continuo a achar que no "deserto" cultural que é o Alentejo, será sempre meritório quem se dá ao trabalho de o promover. Em minha opinião, bem.

10 Fevereiro, 2010 10:52  

Enviar um comentário

<< Home